Para o Papá















I LOVE YOU!!!!!

O nosso bebequinho faz 2 meses hoje!!!

2 meses de paixão, amor e ternuras um pelo outro, 2 meses de maminha em exclusivo, 2 meses de felicidade plena!!!

Nós amamos-te muito meu filho lindo!!!

Parabéns!!!

Trechos do livro "No coração das emoções das crianças" de Isabelle Filliozat.

Uma companheira de viagem do fórum que frequento fez um post que eu achei lindo e que vai de encontro à maneira como eu e o Papá, “mimamos” o nosso bebequinho lindo!!

“Devemos acorrer ao menor choro?”
“Um recém-nascido começa a chorar porque tem fome. Caso a sua mãe demore 90 segundos a responder, o bébé demora 5 segundos para se acalmar. Porém, se a mãe demorar 3 minutos, o bébé só se acalmará passados cinquenta segundos. Quando se multiplica por 2 o tempo de intervenção, multiplica-se por 10 o choro da criança. Quanto mais tempo você esperar, mais difícil é para ela organizar-se no seu interior. Se ninguém aparecer quando chora, o que sente o bebé? (…) ele sofre pura e simplesmente… e ninguém vem. E se aquela mãe que o devia socorrer e proteger não o faz, isso significa que ela é capaz de o fazer sofrer! Ela é perigosa portanto, e ele não pode ter confiança nela… No entanto, isso é impossivel. Como pode ele retirar a confiança da sua mãe? Àquela de quem depende para sobreviver? Então, continua a confiar nela, preferinfo alterar a sua percepção interna e anular quer o seu sofrimento quer as suas emoções, já que é nelas que reside o perigo! Perdendo assim as suas referências interiores, a sua dependência em relação à mãe aumenta, e esta passa a ser a pessoa que sabe do que é que ele tem necessidade e quando.”

“O que fazer?”
(…) Se se tratar de um recém-nascido, intervenha o mais rapidamente possivel, procurando identificar a sua necessidade e satisfazê-la. Se tiver fome, ela sabe-o melhor do que o seu médico ou do que o seu relógio. Acompanhe-o na expressão dos seus afectos. E se todas as necessidades fisiológicas parecerem satisfeitas é porque se trata de uma necessidade psicológica, e nesse caso ouça-o com o coração e autorize-o a confiar-lhe a sua dor, o seu protesto e a sua tristeza.
Quanto mais cresce, mais autónoma se torna a criança na gestão das suas emoções. E, a fim de observar de que modo ela lida com o que está a viver, você já poderá esperar alguns instantes antes de se precipitar na sua direcção. Se ela não lhe pedir nada, dê-lhe a sua confiança.”

WE LOVE YOU TO THE STARS AND BACK, FERNANDO ANTÓNIO!!!