Fazemos 3 meses juntos!!

Parece que foi ontem que te recebi nos meus braços e já se passaram 3 meses.
A partir de hoje és um bebé, já têns personalidade, vontades, tristezas e alegrias, a partir de hoje, vais querer construir-te e eu vou estar sempre ao teu lado para te ajudar.

Foi há 3 meses o início da nossa história, cheia de luz, com muito amor.

Uma história com muita alegria, com inúmeras possibilidades… temos os dois tantos sonhos, muita fé, empatia e amizade, somos cúmplices nesta estrada da vida e caminhamos lado a lado, descobrindo e aprendendo.

O meu maior desejo é que Deus te proteja sempre. Que Deus te preencha a vida de amor, verdades e paz.
Juntos iremos esforçar-nos para ser úteis para nós e os nossos e se não fôr pedir muito, tentaremos deixar a nossa marca no Mundo.

Desejo que sejas um grande Homem, mas nunca te esqueças que não estás sozinho.
Desejo que sejas sempre carinhoso, mas sê intransigente perante a injustiça.
Desejo que sejas justo, mas não julgues os outros como muitos fazem… usa o teu coração conjuntamente com o que te ensinei.
Desejo que sejas forte, mas sê humilde sempre que necessário.
Desejo que sejas inteligente, mas não uses o teu conhecimento para envergonhar os outros.
Desejo que cresças, mas lembra-te que um dia foste pequeno… e por muito que cresças terás sempre o meu colo, o meu ombro e os meus braços.
Que sejas adulto, mas lembra-te que os mais velhos têm sempre algo mais para te ensinar.
Que sejas sério, mas não apagues a criança dentro de ti.
Que caminhes em direcção ao sucesso, mas nunca te esqueças que o discernimento e a humildade andam lado a lado.

Vive intensamente meu filho!! – Mas nunca te esqueças que há quem caminhe mais devagar, dos que lutam diáriamente, dos que batalham pela vida, dos que choram por sonhos inacabados, dos que acreditam em ilusões e sofrem inúmeras desiluções.

Vai chegar um dia em que a tua vida não seguirá a minha. Nunca fiques triste e eu nunca ficarei. Sempre terei muito orgulho nas tuas escolhas, e sabe que sempre terás para onde voltar. Eu amo-te e o primeiro e último pensamento dos meus dias, és tu meu filho!

Cresçe, aprende, anda, corre, levanta-te, inventa, constrói, transforma, cria, ama, apaixona-te, vive, perdoa, ensina… faz tudo na tua vida com muito amor e junta-lhe respeito, nunca te arrependerás se o fizeres.

Este é o teu marco meu filho, só desejo que sejas feliz!
O que escrevi aqui, é o que eu aprendi e é o que desejo que tu também aprendas!

Obrigada por me escolheres como Mãe!

Trechos do livro "No coração das emoções das crianças" de Isabelle Filliozat.

Uma companheira de viagem do fórum que frequento fez um post que eu achei lindo e que vai de encontro à maneira como eu e o Papá, “mimamos” o nosso bebequinho lindo!!

“Devemos acorrer ao menor choro?”
“Um recém-nascido começa a chorar porque tem fome. Caso a sua mãe demore 90 segundos a responder, o bébé demora 5 segundos para se acalmar. Porém, se a mãe demorar 3 minutos, o bébé só se acalmará passados cinquenta segundos. Quando se multiplica por 2 o tempo de intervenção, multiplica-se por 10 o choro da criança. Quanto mais tempo você esperar, mais difícil é para ela organizar-se no seu interior. Se ninguém aparecer quando chora, o que sente o bebé? (…) ele sofre pura e simplesmente… e ninguém vem. E se aquela mãe que o devia socorrer e proteger não o faz, isso significa que ela é capaz de o fazer sofrer! Ela é perigosa portanto, e ele não pode ter confiança nela… No entanto, isso é impossivel. Como pode ele retirar a confiança da sua mãe? Àquela de quem depende para sobreviver? Então, continua a confiar nela, preferinfo alterar a sua percepção interna e anular quer o seu sofrimento quer as suas emoções, já que é nelas que reside o perigo! Perdendo assim as suas referências interiores, a sua dependência em relação à mãe aumenta, e esta passa a ser a pessoa que sabe do que é que ele tem necessidade e quando.”

“O que fazer?”
(…) Se se tratar de um recém-nascido, intervenha o mais rapidamente possivel, procurando identificar a sua necessidade e satisfazê-la. Se tiver fome, ela sabe-o melhor do que o seu médico ou do que o seu relógio. Acompanhe-o na expressão dos seus afectos. E se todas as necessidades fisiológicas parecerem satisfeitas é porque se trata de uma necessidade psicológica, e nesse caso ouça-o com o coração e autorize-o a confiar-lhe a sua dor, o seu protesto e a sua tristeza.
Quanto mais cresce, mais autónoma se torna a criança na gestão das suas emoções. E, a fim de observar de que modo ela lida com o que está a viver, você já poderá esperar alguns instantes antes de se precipitar na sua direcção. Se ela não lhe pedir nada, dê-lhe a sua confiança.”

WE LOVE YOU TO THE STARS AND BACK, FERNANDO ANTÓNIO!!!